Resenha: A Quinta Disciplina de Peter Senge

Como será a administração dos negócios no século XXI? O livro "A Quinta Disciplina", escrito por Peter Senge há quase dez anos e já considerado um clássico, continua apresentando algumas das melhores respostas a essa questão.

Dois aspectos fundamentais do mundo atual, que contribuem para dificultar quaisquer previsões acerca do futuro, são o ritmo acelerado de mudanças sociais e tecnológicas e a importância crescente do conhecimento como fator de sucesso nos negócios. A partir dessas constatações básicas é possível deduzir uma característica essencial das empresas do futuro:

O sucesso a longo prazo nos negócios não pode ser assegurado pelo domínio de recursos específicos como capital, recursos naturais ou competências tecnológicas. .A competência fundamental para assegurar a continuidade e prosperidade das empresas a longo prazo é a capacidade de aprender.
Aprender, no caso, não significa ser capaz de reproduzir comportamentos ou memorizar conteúdos pré fixados. Aprender, no sentido sistêmico e abrangente do termo, significa ser capaz de transformar-se, de modo a modificar a própria estrutura de comportamento, tornando-a mais eficaz no sentido de perseguir os valores essenciais da própria pessoa, grupo social ou comunidade. (Ler texto sobre Aprendizagem)
Estamos hoje presenciando um salto na capacidade de inovação devido à disponibilidade de um conjunto de tecnologias de aprendizagem em grupo, que está sendo usado pelas empresas como fator estratégico para competir no mercado globalizado. Com isso está surgindo um novo perfil de empresa: "A Empresa que Aprende" ("Learning Organization").

As novas tecnologias de aprendizagem organizacional são caracterizadas por cinco disciplinas. Disciplina e um conjunto de práticas de aprendizagem, através das quais a pessoa se modifica, adquirindo novas habilidades, conhecimentos, experiências e níveis de consciência. As cinco disciplinas da aprendizagem organizacional são: (1) pensamento sistêmico, (2) domínio pessoal, (3) modelos mentais, (4) visão compartilhada e (5) aprendizagem em grupo.

O pensamento sistêmico consiste em perceber o mundo como uma rede integrada de relacionamentos. Como instrumento do pensamento sistêmico, Senge adotou a dinâmica de sistemas (de seu mestre Jay Forrester), desenvolvendo o conceito de arquétipos (padrões básicos de comportamento), tornando a técnica de modelagem de sistemas sociais mais acessível a não especialistas. Senge enfatizou os aspectos práticos do pensamento sistêmico, mostrando suas implicações para as atividades gerenciais e utilizando simulações para apoiar o planejamento e o treinamento.

O domínio pessoal é a capacidade fundamental para que um indivíduo possa perseguir seus próprios valores, em vez de ser levado pelas circunstâncias. Os elementos fundamentais do domínio pessoal são a percepção clara da realidade e a consciência firme dos próprios propósitos. A tensão entre a realidade percebida e a visão do ideal desejado é a fonte de energia transformadora que permite á pessoa agir e não apenas reagir. O domínio pessoal pode ser entendido, de forma mais profunda, como um crescimento espiritual.

O trabalho com modelos mentais reconhece que nossos conhecimentos, hábitos e crenças determinam nossa percepção e interpretação de tudo que acontece no mundo, nos negócios, na família, etc. Com o passar do tempo, nossos modelos mentais, que quase sempre são inconscientes, vão ficando inadequados e passam a prejudicar nossa capacidade de entender e agir de modo adequado. A disciplina de modelos mentais incorpora métodos para explicitar nossos modelos mentais, permitindo que nós mesmos os avaliemos e transformemos.

A visão compartilhada é o que une os grupos na ação. Quando os grupos possuem uma visão compartilhada, as pessoas se identificam com o grupo, sentindo-se estimuladas e unidas na busca de seus ideais. Uma visão só é verdadeiramente compartilhada na medida em que ela se relaciona com as visões pessoas doa membros do grupo.

A aprendizagem em grupo depende da interação autêntica entre as pessoas (o que o filósofo Martin Buber chamou de relação eu-tu), que de modo geral é desestimulada em nossa cultura. A própria educação, apesar de realizada em grupo, enfatiza o desempenho individual e a competição entre os alunos. A técnica fundamental da aprendizagem em grupo é o diálogo que, sendo cultivado na Grécia antiga por filósofos como Sócrates e Platão, acabou tendo sua forma original deturpada e esquecida em nossos tempos, sendo agora restaurado graças, principalmente, à iniciativa do físico David Bohm.

"A Quinta Disciplina" é uma leitura praticamente obrigatória para quem quer realmente entender os novos rumos da administração dos negócios. Por felicidade, Senge escreveu um livro pensando no leitor comum, evitando o jargão acadêmico e a enxurrada de citações. É um livro muito didático e agradável de ler. Recomendo que os interessados dêem preferência à última edição brasileira, cuja tradução foi revista, ou então o original em inglês (a primeira tradução em português saiu com muitos erros). Para quem quiser continuar o estudo, conhecendo recursos adicionais para implantação prática e fontes para pesquisa acadêmica, Senge providenciou um segundo livro, "A Quinta Disciplina – Cadernos de Campo", também já traduzido para o português. Acaba de sair em inglês um segundo complemento "The Dance of Change", que provavelmente será logo traduzido para o português.


4 comentários:

Sebastian Dantas disse...

Olá Wendell, sou Sebastian Dantas de Cuiabá e acadêmico de Gestão de Recursos Humanos. Gostei muito da sua resenha a respeito do livro "A Quinta Disciplina" de Senge que vem sendo abordado na disciplina, Gerência,liderança e motivação é um livro de fácil leitura e entendimento e que deve ser de cabeceira para todos que almeja gerir com excelência. Parabéns pelo blog.

Anônimo disse...

verdade sebastian dantas. eu sou carlos alberto e acredito em que as nossas aprendizagem e nosso aprefeiçoamento melhora a apartir de tecnicas de inovação, com um alto dificuldade para melhoramos sempre mas e mas. gostei.

Aura Lucia Pimentel disse...

WENDELL,sou Aurea Lucia Pimentel do Rio de Janeiro, formada em Pedagogia pela UFPA e faço Pos de Pedagogia Empresarial na Cândido Mendes,
a sua Resenha me chamou a atenção pelo direcionamento dado aos pontos principais do trabalho do Peter Senger em seu livro (A Quinta Disciplina)nos instigando a conhecer melhor o trabalho ou seja, lendo o livro. Parabéns!

Anônimo disse...

A SUA RESENHA NÃO DEIXA DUVIDAS DA DELICIA DE LIVRO QUE E. PARABENS.

Postar um comentário

Navegação